segunda-feira, 10 de abril de 2017

O por quê da demora

Bem, a explicação é a seguinte:

Originalmente, minha ideia era lançar o capítulo com imagens das cenas, desenhadas na mão no estilo de quadrinho japonês, ou melhor dizendo, mangá. Mas não consegui. Minhas habilidades de desenho ainda não haviam atingido o nível que eu queria.

Por esta causa, acabei travando a escrita do capítulo 2 e não publicando o 1, o que foi sinceramente péssimo. Não só travei, como também quando decidi largar de lado o plano e lançar logo o 1 e terminar o 2, acabei tendo um bloqueio criativo, por assim dizer.

Daí, agora, então, decidi que vou escrever os capítulos e acrescentar imagens, caso as tenha, ao longo dos capítulos.

Então é só, falou!

Capítulo 1: Borya


...

Era dia, e podia se ver, na velha casa com roseiras,um menino e um jovem jogando uma partida de xadrez. A partida estava difícil para ambos os lados, mas poderia ser decidida a qualquer momento. Alguns minutos depois, o mais velho anuncia:

- Cheque- mate.

- Ahn, gostava mais de quando você jogava mal. Não estou conseguindo te vencer em quase nada! -dizia o menor, que fazia uma careta ao ver que perdera mais uma vez.

- Bem, "senhor” Liber Verus, tenho de ir, pois se não me atrasarei para o meu primeiro dia de aula, não posso dar uma má impressão, não é?- fala o jovem, que pegava a mala ao lado da cadeira.

- Absolutamente, afinal, o que conta é a primeira impressão. Bem, até logo Alberto.- diz enquanto ia vagar pelos cômodos.

- Até.

Logo, a figura do jovem, Alberto, saí da casa. Trajado em um uniforme branco por inteiro, saía de casa com seus cabelos castanhos expostos a brisa e seus olhos castanhos a sofrer pela luz do sol, tendo também sua pele bronzeada em confronto com o sol. Seu porte físico era consideravelmente normal para sua idade, mas no entanto sua fisionomia não era comum aos habitantes daquele país. Era um estrangeiro.

O nosso bom amigo é brasileiro, que conseguiu de alguma forma um tipo de transferência para o Japão, onde terminaria o ensino médio.

De todo modo, seria seu terceiro ano no Japão, e o último na escola. O caminho com cerejeiras floridas parecia chamar-lhe ao seu encontro, sendo o caminho mais longo, porém mais belo a se seguir para ir ao colégio. Entretanto, o lugar lembrava-o de acontecimentos passados que não queria se lembrar, então logo pôs-se a mudar o caminho, optando por uma rua qualquer, sem nada de especial, porém que fornecia uma passagem mais curta.

Logo, alguns minutos se passaram e já se podia ver uma grande construção de muros brancos, e diversos jovens a sua volta. Sem ligar para nenhum determinado grupo ou determinada pessoa, ia para dentro do prédio, onde mais uma vez viveria um ano escolar.

...

Na sala, vários jovens recostados nas carteiras, e outros já sentados,esperando apenas o sino tocar. Não haveria discursos nem nada, pois tudo isso foi feito no dia anterior, e por isto foi gasto por inteiro, fazendo a aula só começar agora.

Alberto olha a sua volta, logo tendo seus olhos centrados em uma garota. Ela possuía longos cabelos lisos, olhos um pouco puxados, lábios finos, uma pele muito branca e um corpo esguio e esbelto. Japonesa legitima, essa era a sua melhor amiga no colégio, Morikawa Yoshino.*

Ela era praticamente a única que entendia-o na escola, pois muitos o achavam meio estranho, alguns até espalhavam rumores sobre ele, mas ela sempre continuou a conversar com ele, até formar profundos laços de amizade.

Logo ele foi até ela, e iniciou uma conversa.

- E aí Yoshi,tudo tranquilo?- fala de maneira pouco convencional.

- Hm? Ah! Sim tudo certo.- responde finalmente, depois de notar que Alberto se dirigia a ela.

- Yoshi, você chegou a ver os novos mangás da temporada?- pergunta Alberto, enquanto apoiava o braço em uma mesa.

- Sim! Estão incríveis né? Aquele tal de Galant Warriors é um show!- responde animada.

- Você também leu esse? Que massa! É muito louca aquela cena onde o protagonista pula de cima do cavalo e desafia o vilão para um duelo em terra!

- É né? Além disso, o herói é um amor! É tão educado e gentil...

...Pois é, ambos compartilham um mesmo interesse:

Mangá.

Bem, depois de uma conversa razoavelmente longa, o sino toca e a aula começa. E assim o dia flui.

...

Ao final da aula, fica conversando um pouco com a jovem, e depois de um tempo se despede da amiga.

A volta para casa foi bem rápida, parando apenas para comprar ingredientes para o jantar. Ao chegar em casa, nota que, estranhamente, havia uma antiga moto na frente de sua moradia. Desconfiado, entra devagar, e suspira de alivio ao ver que era apenas um velho amigo, o bom e velho Borya, diretor da academia mágica Lt. Borya, localizada no interior da Rússia.

-Mas pois bem Liber, você me venceu de novo! E afinal, tem certeza de que Alberto chegará logo?- pergunta o senhor de cabelos castanhos para Liber.

- Claro, e falando no diabo, olha ele aí!- diz depois de guardar as peças de um jogo, apontando para Alberto.

-Oh! Alberto, meu amigo, que bom te ver!- diz se levantando e abraçando fortemente o mais jovem.- Como está? Tem passado bem?

-Sim, tenho passado muito bem. E o senhor, como está? Aceita um chá?- pergunta ao homem.

- Estou ótimo! Só um pouco cansado devido ao trabalho, este ano alguns pestinhas estão fazendo um grande estardalhaço na escola! E aceito o chá sim.- responde Borya, aparentando um pouco de raiva - Mas bem, estou aqui para tratar de alguns assuntos com você. Tenho de lhe pedir algo.

- E o que seria?- pergunta, enquanto pega a chaleira e começa a ferver água para o chá.

-Bem,eu disse para alguns alunos que haveria chance do homem que criou o underground shop original ir para a academia dar uma palestra.E eles,animados,logo espalharam a notícia,e tudo está uma confusão por tal causa!Então vim lhe pedir se pode dar uma pequena palestra sobre magia lá.

Alberto por um momento parou de preparar o chá, mas logo continuou, e depois de uma profunda respiração, disse:

- Não posso.

- Por favor, é pelos jovens ansiosos por conhecimento!- pediu novamente Borya.  -Eu sei que decidiu largar o mundo sobrenatural, mas faça isso por um amigo! Só quarenta minutinhos! Por favor? - com olhos chorosos.

- Tá Bem!! Não precisa me sensibilizar tanto. Não sabe como fica mal um homem de sua estatura pedir de tal forma.- responde enquanto pega a chaleira e duas xícaras - Aqui está.

Entrega uma das xícaras, agora cheia, ao homem e logo se senta. Alberto beberica um pouco.

- E então? Quando será?- pergunta ao diretor.

- Sinto muito por isso mas é amanhã, o primeiro dia de aula deste ano.- responde um pouco acanhado - É que ocorreu alguns problemas na viagem e isso me atrasou um pouco.

- Poxa vida, viu ?! Como é que pode ser amanhã? Mal dá tempo de arrumar as coisas!-exclama Alberto, quase derrubando o chá - A que horas vai ser?!

- As oito da manhã.

- Oito da manhã?! Como é que pode?! É impossível ir do Japão à Russia em tão pouco tempo ! Não tenho nada pronto para tais coisas! Muito menos dinheiro para um avião!- gritava desesperado.

- Acalme-se! Não iremos com meios mundanos, nos iremos na Elizabeth!- disse tentando tranquilizar o jovem.

- Elizabeth? A velha motocicleta encantada? Mas ela não estava quebrada?- perguntou de imediato.

- Sim, estava, mas consegui a ajuda de um velho amigo, e daí ele a consertou! Além disso, não se preocupe em fazer as malas, já preparamos tudo para você lá! Mas não temos tanto tempo para ficar papeando, agora que aceitou. - diz Borya, enquanto procura as chaves de Elizabeth nos bolsos do grande casaco que usava - De todo modo, pegue rapidamente aquilo que achar necessário, iremos em trinta minutos.

Rapidamente assentindo, Alberto se vira e encara Liber, que ouvia atentamente a conversa.

- Onde você está? - pergunta Alberto para Liber.

- Na sua frente, oras! - responde Liber meio bravo com a pergunta aparentemente idiota.

- Não esse você, o outro você! - responde Alberto com certa raiva.

- Ah! Na sua cama, por que? - pergunta Liber interessado no que o outro responderia.

- Bem, porque nós vamos viajar. -  fala Alberto enquanto segue em direção ao quarto.

- Eu também vou?! Quer dizer que vou viajar? Para a Rússia? Aí, quanta coisa eu posso fazer! Mas Alberto, não tem aula amanhã? - diz Liber enquanto segue o maior para o quarto, bombardeando-o de perguntas.

- Não importa as aulas! E nós estamos indo para fazer um favor a um amigo, e não passear. Afinal, por que você está me seguindo, eu tenho que me trocar, vestir uma roupa decente e esco... - diz Alberto enquanto entra no quarto, e logo sua voz já não pode ser ouvida graças a porta fechada.

...

Algumas horas mais tarde, já se podia ver um ambiente completamente deserto, com apenas neve em todas as direções, e um grande castelo negro em meio a toda esse branco.

No ar, se localizavam duas pessoas montadas em uma motocicleta em alta velocidade. Logo quando chegam acima do castelo, a motocicleta para no ar, e de repente ela começa a descer, até pousar completamente no chão. Dela, descem, respectivamente, o famoso diretor da Academia Lt.Borya, Borya,e o jovem Alberto, que vestia uma roupa comum do dia a dia, combinação composta por uma camiseta vermelha e uma calça jeans, junto a um casaco verde oliva.

Borya usava um grande casaco de pele, o mesmo de antes, e um chapéu de pele também lhe cobria a cabeça. E seus cabelos e barba estavam um pouco desgrenhados. Logo o grande homem se dirige à porta de uma torre, acompanhado pelo jovem.

Ambos foram logo cumprimentados por servos do castelo, e Alberto fora mais bem recebido do que imaginara. Já havia uma mesa pronta,com algumas comidas e bebidas locais, tudo para os dois jantarem. O diretor não estar presente no salão de jantar da escola era algo raramente visto. Só ocorria quando convidados realmente importantes estavam presentes ou quando Borya tinha algo muito importante para fazer.

Muitos alunos poderiam ficar intrigados, mas isso não importava nem para o diretor e nem para o convidado, que botavam a conversa em dia.

...

Depois do jantar, Alberto foi guiado para seu quarto.

O quarto preparado para Alberto é o melhor que poderia pedir. Borya realmente conhecia bem seus gostos.


Era um quarto relativamente simples, as paredes eram de uma cor bege, com alguns detalhes em ouro, e o chão era de madeira nobre. O teto era bem simples, tirando o fato de toda a iluminação vir de um lustre de cristal. Já os moveis eram todos de madeira negra,e o conjunto era composto por um armário, que se localizava no canto de uma parede, por uma cama de solteiro, que se localizava ao lado do armário, e por fim por uma escrivaninha,que estava localizada no canto oposto ao armário. Tudo com um estilo meio rústico, que adequava ao seu gosto.

Retirou os sapatos logo após entrar no quarto, colocou um livro na escrivaninha, e uma fumaça azul sai do livro, e se materializa no menino conhecido como Liber.

Sim, Liber Verus, ou O Livro da Verdade.

- Nós já chegamos?- perguntou o garoto,meio sonolento.

- Sim, você chegou à Rússia.- respondeu rapidamente Alberto, que se deitava na cama.

- Sério?! Nossa! Vamos andar por aí! Quero ver tudo!- diz Liber animado, praticamente esquecendo sua sonolência anterior.

- Hoje não verá nada, estou muito cansado da viajem. Amanhã acordarei cedo, seis da manhã,para tomar um banho e me arrumar. Aí, quem sabe, a gente explora o castelo um pouco.- respondeu Alberto, que bateu palmas três vezes, fazendo assim a luz apagar.

Ele tinha de admitir, esse sistema era muito prático.

- Entendo. Bom, boa noite.- fala Liber meio desanimado, mas entendendo os motivos do amigo.

- Boa noite.- diz Alberto ao bocejar, e logo cair no sono.

Liber então, deita-se ao seu lado, e tenta dormir, rapidamente cedendo ao sono...

...

Os primeiros raios de sol batiam no rosto do jovem, e algo fazia um irritante som agudo. Era um despertador. Havia configurado seu smartphone para lhe acordar seis horas, mas no entanto, achava que tal toque havia acordado o andar inteiro.

Rapidamente ele para o toque, e vai em direção ao banheiro, onde faz suas necessidades diárias e toma um banho. Ao sair, estava só de toalha, e ia em direção ao armário ver o que havia sido preparado para ele. Não se surpreende ao ver um terno ali, mas acha estranho o fato de ser de uma cor vermelha bem viva, com alguns detalhes em bronze.

Logo retira a toalha, quando um afobado Liber aparece entrando no quarto e fechando a porta rapidamente.

- Você precisa ver, Alberto! Eu vi agora a pouco um enorme grifo rugindo lá fora, carregando em suas costas alguns alunos! Você precisava ver que esplêndida montaria e... Está se vestindo?- de afobado, de repente ficou tímido, logo tampando o rosto corado com ambas as mãos.

- Hm? Sim, por que?- diz Alberto ao colocar a roupa de baixo.

- Err... Porque... Ahm...-Liber continuava sem jeito, mesmo ao retirar as mãos do rosto, olhava para baixo ou para os lados,para desviar o olhar.

- Quer saber, esquece. Só se acalma, seja lá o que for o motivo de estar assim. Respira fundo, tá?- fala Alberto ao terminar de colocar a calça e começar a pôr a parte de cima do terno.

Depois de algumas sucessivas respirações, Liber se encontrava melhor, e Alberto já havia se vestido por inteiro.

Saíram do quarto logo depois de arrumar a cama, e pegarem algumas pequenas coisas importantes para eles, como o smartphone e o livro.

...

Seu turismo pela escola durou em torno de uma hora,onde viu diversos tipos de seres. Desde magos humanos até demônios de classe Soldado. Também viram manticoras e hipogrifos, tal como diversas outras criaturas.

Logo, já batiam no relógio sete e cinquenta, e sendo assim se apressaram para o salão de jantar. Ao chegar lá o salão estava lotado, mas conseguiram de alguma forma passar despercebidos em meio a toda essa gente. Borya esperava-os na parte de trás do local, e logo que os viu, abriu um grande sorriso.

- Chegaram na hora, glória!- disse o senhor como se tirasse uma grande preocupação de sua cabeça - Vamos, não temos muito tempo, vocês entrarão pela porta dos professores.

- Pois então vamos, não temos nenhum motivo para ficar aqui, temos?- responde Alberto com um certo humor animado.

Rapidamente passam por uma entrada que leva à um dos extremos do salão, tal como a área dos professores.

Burburinhos e conversas para todo lado, a expectativa era grande. Quem diria que realmente o criador da primeira underground shop viria em pessoa? A comoção era tanta que para aumentar ainda mais a tensão, alguns engraçadinhos espalharam diversas coisas sobre como ele era. Desde um grande homem com três metros de altura até um homem loiro com cara de príncipe encantado, as histórias eram diversas.

Borya logo aparece em meio a área mais elevada do salão, e Alberto segue logo atrás, e Liber se escondia entre os dois, aparentando estar meio envergonhado.

- SILÊNCIO!- grita o diretor.

Logo todos se calam, e olham para as figuras que estavam no pódio. Enquanto isso, alguns servos colocavam cadeiras ao lado da pertencente ao diretor.

- É esse o cara?- pergunta um aluno audacioso, enquanto aponta para Alberto, que pacientemente esperava com as mãos nas costas o fim da cena.

- Sim, é ele.- responde o diretor em alto e bom tom, porém de maneira calma.

Logo já haviam alunos cochichando novamente. Quem adivinharia que tal grande ídolo desconhecido seria apenas alguém tão jovem quanto eles? Ao verem isso,muitos ficaram chocados, e outros já começavam a questionar entre si, por tal causa, Borya interfere de novo:

- SILÊNCIO!- berra novamente o diretor, com aparente raiva que raramente demonstrava em frente aos alunos - Por favor, se apresente, Alberto, e pode começar a palestrar.

- Pois bem, o meu nome, como puderam ouvir, é Alberto, Alberto Oliveira. A pedido de meu amigo, o diretor, saí do Japão, local onde atualmente estou me hospedando, para palestrar sobre magia e diversas outras coisas.- dizia de forma calma e composta - Primeiro, decidi falar sobre convocações, magias com qual já me identifico bem. Mas antes de começar, caso tenham alguma dúvida que queiram perguntar agora, é só falar.

Depois de alguns segundos, um aluno levanta a mão, mal se dando para ver o braço erguido em meio a multidão.

- Diga.- disse Alberto encarando o jovem.

- Mas senhor, convocação não é uma magia de nível intermediário?- pergunta o corajoso.

- Não irá fazer diferença do jeito que explicarei, afinal, se ficarem focados e aprenderem, até o mais banana de vocês pode fazer isso.- respondeu ao garoto.

O garoto decidiu não perguntar mais nada,então logo Alberto prossegue.

- Bem, como devem saber, a convocação é simples, mas a maior questão é o melhor jeito de faze-la, pois como podem ter notado, muitos falham nas primeiras tentativas, normalmente por tentarem complicar o descomplicado.- procura em seu bolso uma folha e faz um rápido desenho - Basicamente, o segredo para o sucesso é bem simples, sendo os principais passos pensar no que quer, ter conhecimento do encantamento, ter a força e inteligência para derrotar a criatura e por último preparar um selo de antemão, caso queira fazer uma ligação mestre e servo.

Os alunos assentiam, embora alguns já soubessem de tais fatos.

- Entretanto...- todos se concentram em Alberto, pensando sobre o que acrescentaria.-Isso é uma magia que você deve saber preparar tudo, pois não tente fazer bonito na frente de seus colegas falando línguas que nem conhece, ou fazendo gestos mirabolantes. Tudo o que é recomendado a você fazer, é ter um local calmo onde possa trabalhar sua convocação sem pressa. Além disso, use o idioma original de teu país, pois é um ao qual você está bem acostumado e que você tem maior habilidade de transmitir seus desejos e sentimentos.- fala Alberto, enquanto procura a folha de papel.

Enquanto a pega, os alunos pensavam: O que está pretendendo nos mostrar?

- Mais uma coisa.- respira fundo - O selo, que como eu disse deve ser preparado para um vínculo ou contrato, modo como é chamada a ligação mestre e servo, é extremamente importante, e deve ser parecido com isto.- diz mostrando o que está no papel - Usem alguma magia de ampliação para ver melhor.

Com diferentes magias, os alunos puderam perceber o padrão do selo.

- O selo não deve ser exatamente igual, entretanto, deve conter sempre, sem exceção, caracteres ou palavras que representam vida, morte e controle. Esse é o único padrão de selos que realmente é seguro e confiável para nós, mortais.- fala Alberto guardando o papel.- Alguma pergunta?

Ninguém disse nada, então Alberto prossegue.

- Nada? Então, pois bem, começarei agora a falar sobre magias elemen-

- ENTÃO POR QUE EU NÃO CONSIGO CONVOCAR?!- uma voz feminina interrompe Alberto.

Da multidão uma pequena garota de cabelos vermelhos se desloca em direção ao pódio.

- Se é tão simples como diz, por que eu não consigo, hein?!- pergunta a jovem em direção a Alberto.

- Bem, só pode ser duas coisas, sendo que a primeira é que você não está se concentrando o suficiente, e a segunda...- pausa Alberto, respira e continua.- É que simplesmente você fez alguma coisa errada no processo da convocação.

A garota fecha a cara, e grita com raiva:

- VOCÊ NÃO SABE DE NADA!! Jato del fuego!

Logo depois, um circulo com diversas runas aparece e lança fogo em direção à Alberto, que desvia simplesmente deslocando para a esquerda.

- Fuerza hercúlea!- diz a garota, que logo tem suas veias brilhando em amarelo, fazendo-as vísiveis a olho nu.

Com isto, a jovem não podia deixar de ter certeza de que feriria Alberto. Com um salto, ela já estava na frente de Alberto, e logo desfere um soco em sua direção. No entanto, o tiro saiu pela culatra. Simplesmente virando o corpo de lado e puxando o braço da garota, ele a faz cair de cara no chão.

“ Esse cara ainda é humano? Ele desviou de dois golpes da Gênio Dinamite e ainda derrubou-a só com um puxão!” resmungavam alguns alunos, enquanto outros diziam coisas como “ Incrível!Esse cara realmente faz jus aos boatos!”.

- Decepcionante.- fala Alberto, surpreendendo a todos.- Se isso para vocês é um gênio, então a barra tá preta.- se direciona para Borya.- Ultrapassarei um pouco o tempo que combinei, parece que do jeito que está, eles realmente estão precisando de uma “ajuda”. Nunca pensei que faria algo assim novamente...

Todos os presentes olham abismados para ele. Afinal,o que eles achavam que era um gênio, para esse cara é lixo. E então? O que todos eles eram? Vermes?

- Borya, ficarei uma semana dando aulas para seus alunos, e não diga isso para ninguém de fora, daria muita confusão. Hoje a tarde, ao final das aulas, por favor, peço para que todos, sem exceção, venham para as pradárias.

Sendo feita esta sentença, Alberto deixa a locação sob o olhar atordoado de todos os presentes.

...

terça-feira, 29 de novembro de 2016

O que ocorreu?

Gente, o motivo de não entrar em nenhum dos blogs que acompanho, sites e etc, é porque eu estava sem internet. O incrível é que até se resolveu mais rápido que eu esperava, pois a previsão era uns 3 meses sem net.

Nesse período, eu comecei a pensar no que colocar, no que não pôr e enfim, o importante é que eu estou de volta e creio que logo atualizarei tudo.

sexta-feira, 23 de setembro de 2016

Lido: The Zashiki Warashi of Intellectual Village

Essa light novel japonesa foi uma daquelas que a cada duas horas tava lá eu olhando se atualizou, eu lia como se... Sei lá, meio doida minha relação com esta novel, foi uma que marcou muito, uma das primeiras que comecei a ler, foi logo em seguida de Campione!Highschool DXD, na época eu tava me iniciando no insano nível de ler mais de vinte livros semanais, cada um mais de trezentas páginas, todos em torno de trezentas mil palavras, e no total mais de  dois milhões de palavras semanais, nesse tempo, como eu não estava morando no interiorzão mesmo, chegava ao ponto de anime numa parte do pc, aba de livro no outro lado, e algumas vezes até emulador aberto junto a isso!

Prosseguindo no assunto... The Zashiki Warashi of The Intellectual Village fala basicamente de mistérios envolvendo youkais e monstros, em uma sociedade moderna onde eles foram descobertos e talz, e também nesta sociedade uma coisa que dá lucro ao Japão são vilas que produzem diversos tipos de produtos, e onde também há mais aparições.

A história tem como protagonistas vários personagens, mas em principal são três: Jinnai Shinobu, jovem que tende a se envolver e desvendar crimes no qual as pessoas se utilizam de youkais, Ushimaku Hayabusa, tio de Shinobu e investigador da polícia japonesa, e Hishigami Mai, mulher muitas vezes encontrada também à solucionar casos envolvidos com youkais.

Em diversos pontos esses personagens se encontram em situações onde todos eles estão envolvidos.

Outro personagem que tem grande importância na história, afinal, grande parte dela gira em torno disso, é a Zashiki Warashi que vive  na casa de Shinobu, muitas vezes encontrada zanzando por aí  junto a Shinobu, e usando o Smartphone dele. Para você, que não conhece de mitologia japonesa, Zashiki Warashi é, normalmente um tipo de youkai em forma de criança, que quando resolve ficar em alguma família trás boa fortuna a casa. Mas essa é diferente, e não tem corpinho de criança não, viu?

Recomendo a leitura, e novamente colocarei o link da página em inglês, se tu for corajoso, faça como eu, encare a tradução do google tradutor.

The_Zashiki_Warashi_of_Intellectual_Village

terça-feira, 20 de setembro de 2016

Lido

A seção Lido é para falar sobre alguns livros, web novel's e light novels que cheguei a ler, e em alguns casos, também comentar se retirei algum tipo de inspiração do livro ou sobre algo que achei interessante no jeito do autor e etc.

Web Novel's: Novelas escritas diretamente em sites e blogs, normalmente sua linguagem é mais simples e menos polida.

Novelas: Aqui, no caso, deixei para falar especialmente de algumas novelas que li, e erroneamente achei que eram Web Novel's, mas que no caso na verdade já eram livros e talz, os posts nesse caso serão corrigidos caso me refira erroneamente a elas.

Lido: 7 Killers

Light Novel's: Normalmente feitas no Japão, são novelas voltadas a um público jovem, contendo uma linguagem obviamente mais rica que em Web Novel's, mas não tão elaboradas  quanto  algumas outras mídias, embora, obviamente, haja exceções.


Lido: The Zashiki Warashi of The Intellectual Village

Lido: 7 Killers

Recentemente, eu só estou lendo web novels ou romances chineses, e um que, embora no início eu não tenha dado muita importância, mas que me surpreendeu, foi 7 Killers.

7 Killers fala basicamente de um artista marcial poderoso, mas também mulherengo e bebedor, que é contratado por um dos mais fortes artistas marciais de seu tempo, Dragon Fifth (na tradução pro inglês), que quer que nosso protagonista mate sua mulher, muito conhecida pela alcunha Madam Autumn's ( na tradução pro inglês), que odeia o marido.

O desenrolar da história é bastante interessante, e até surpreendente, pois as personagens podem mudar de lado a todo instante, e o fundo do protagonista, revelado ao final, faz você ficar tipo: como assim meu?

Lógico, como toda história, vai ter falhas e tal, mas no geral, é bem legal de ler, pena que só tem oito capítulos.

É uma leitura que, se você gostar de um gênero de ação e investigação, com um protagonista ao estilo anti-herói fodão e pegador, do tipo que você até questiona se a mente do sujeito é sã, eu recomendo.

Link logo abaixo, vai ter de ser em inglês mesmo, pois não creio que tenha em português. Então, até mais ver!

http://www.wuxiaworld.com/7-killers/


sexta-feira, 9 de setembro de 2016

Primeiro Dia

Isto aqui é pra fazer parte do meras histórias né, simples treino de escrita, e bem, vai ser uma daquelas coisas bem simples, e como pode (ou não) ter imaginado pelo título, é sobre primeiro dia de aula. Texto pequeno, algo em torno de 361 palavras.

                                         Primeiro Dia


... Chegava  ao portão da escola, alunos acumulavam-se a sua frente, alguns colegas já iam para suas panelinhas, eu não fazia diferente, do ônibus até o portão da escola estava já acompanhado de meu melhor amigo, conversando sobre alguns assuntos banais.

Nada do portão abrir por uns três minutos... Não sou o tipo de pessoa que gosta de esperar este tipo de coisa... Por fim, abriu.

Os alunos começaram a entrar logo, e depois de verificarem na lista de nomes que sempre deixam na parede da escola, vão para suas respectivas salas.  A minha era a de número X, localizada próxima a quadra.

Entrei,  e fui logo em direção a terceira mesa da fila do meio. Jogo minha mochila ao lado da mesa e sento-me na cadeira. Alguns colegas chegam e vão para mesas aleatórias, e logo vão novamente aos clássicos grupinhos. Logo converso com o colega da frente, que é o mesmo amigo ao qual me referi antes, que ficará aqui conhecido como fulano.

Fiquei conversando com fulano até o início da aula. O professor chega, passa os horários e a aula passa normal, como as dos anos anteriores. No primeiro dia, pra maioria das pessoas, tudo passa rápido, mas em minha opinião foi bem demorado. Depois de três trocas de professor, chega o intervalo, aluno saindo de tudo que é lado feito uma manada de elefantes, passando em cima de tudo que vê em sua frente.

Não pego lanche, e vou para a área onde a minha panelinha se encontra a anos, quando eu ainda nem estava nesta escola. Falo sobre o que fiz nas férias, ouço os outros falarem suas experiências e logo começo a contar algumas piadas... O intervalo passa rápido, cada um volta a sua sala. Os dois últimos horários passam relativamente rápido e logo todos começam a sair da escola. Eu junto de fulano e mais uns três caminhamos, logo após sair da escola, ao local de embarque dos ônibus.

Não tarda e chegamos ao nosso ônibus, logo embarcamos e esperamos outros chegarem para então partir.

E pensar que ainda terei mais uns duzentos e setenta  dias de aula no ano... Dá até desanimo...